Livros ou tutoriais – Por onde é melhor estudar ?


É fato que a grande maioria dos programadores e pessoas que lidam com tecnologia são autodidatas, ou seja, costumam aprender tudo, ou quase tudo, sozinhos.

Bateu uma dúvida? Corre no Google, pesquisa, vê como se faz, raciocina e aplica no seu problema. Esse é um procedimento básico para quem é da área.

Mas há aqueles que aprendem somente assim, outros que, além de fazerem isso, recomendam fortemente o estudo por livros. E aí, por onde é melhor estudar? Aquele que aprende por livros universitários é melhor profissional que aquele que aprende por apostilas de 20 páginas da internet?

Vamos discutir sobre as vantagens e desvantagens de cada uma dessas maneiras de aprendizado.

As vantagens e desvantagens de se estudar por Livros

Qual a melhor maneira de se estudar programaçãoA maior vantagem dos livros é, sem dúvidas, a quantidade de informações que estes possuem.
Geralmente são centenas de páginas (não é raro passar de mil) falando sobre o assunto em questão, explicando história, detalhes e motivações para cada informação apresentada, coisa que tutoriais e apostilas não fazem (simplesmente jogam a informação para o leitor).

Com certeza tudo que é dito nos livros é possível encontrar em sites, apostilas e tutoriais pela rede.
Porém, não basta ter a informação. Um detalhe importante que passa despercebido por quem estudar só pela internet é saber o que estudar em seguida, e quando.
Não é raro encontrar sites que ensinam a fazer um “Hello world” em PHP numa lição, e seguida como usar o MySQL com a linguagem. Um verdadeiro desastre pedagógico e altamente desmotivador.








É aí que entra outra vantagem dos livros, pode parecer bobagem mas não: eles começam do começo, se desenvolvem no desenvolvimento e concluem no final.
Ou seja, ensinam em uma ordem lógica, começam do básico, do simples e de fácil entendimento.
Aos poucos novos conhecimentos são mostrados, sempre usando os conhecimentos passados, de modo a mostrar um desenvolvimento natural das coisas.
Isso é o importante: aprender naturalmente, sem saltos gigantescos como é comum ver em blogs pessoais de programação, por exemplo.

Porém, em nada adianta somente ler um bom livro, assistir uma bola aula ou freqüentar uma conceituada universidade ou curso. Pra aprender a programar, tem que programar.
Tem que tentar, quebrar a cabeça, fazer do seu jeito (normal fazer barbaridades quando iniciantes), passar horas tentando achar um bug e varar madrugadas tentando fazer seu programa funciona.
E é aí que entra algo único dos livros: exercícios.

Livros possuem centenas exemplos de código, questões resolvidas e exercícios propostos.
E geralmente a ordem de dificuldade é crescente. Ou seja, você começa com coisas simples e vai fazendo coisas mais complexas.  Se tiver a solução dos exercícios, para comparar o que você com a solução do autor do livro, melhor ainda.
Se aprende, e muito, vendo o código dos outros.

E para encerrar, o único problema que vejo nos livros é a demora em terminá-los.
Em uma Universidade ou curso, demora-se no mínimo um semestre.
Se estiver estudando para imediatismo, para fazer algo rapidamente, dificilmente o livro vai te agradar.













Prós e contras das apostilas, artigos e tutoriais

Tutorial de computaçãoEstudar programação, ou outro assunto de TI, por tutoriais não é opção, é obrigação.
É quase diário o uso do Google para profissionais ou leigos resolverem problemas, encontrarem soluções ou idéias para seu trabalho/projeto.
Até aí, tudo bem. Afinal, todos têm probleminhas, como configurações de um sistema operacional.

O problema começa a surgir quando os tutoriais rápidos e apostilas breves são o principal, ou único, meio de aprendizagem.
Artigos ou tutoriais não explicam o motivo, relevância, uso e detalhes do que está se ensinando. Geralmente mostram o código ou fazem breves comentários.
Quando não simplesmente mostram o código ou passo a passo a ser feito, que pode ser executado sem termos a mínima noção do que estamos fazendo.

Tutoriais dizem como fazer algo “assim, assado e desse jeito”, e pronto.
No dia que você precisa fazer “assim, isso e assado”, não vai saber, pois aprendeu (na verdade decorou) a fazer do jeito “assim, assado e desse jeito”.
E não tenha dúvidas, até pra fazer a mesma coisa, mas numa ordem diferente “assim, desse jeito e assado” você pode ficar perdido, pois só viu uma maneira de se fazer algo.

Os defensores de tutoriais como única fonte de estudo sempre argumentam:
“Desse jeito é melhor, pois você aprende logo o necessário.”
Mas se você só estudou aquilo e só sabe isso, como sabe que é o necessário? Como sabe se não aprendeu algo pela metade? Como sabe se não existe um jeito mais segurou, rápido ou eficiente de fazer o que você aprendeu?
Só tem um jeito de saber o melhor jeito: sabendo como as coisas funcionam.

A cadeira de cálculo integral é, sem dúvidas, a que mais reprova alunos de Engenharia no mundo inteiro. Porém, raramente você vai encontrar um engenheiro formado trabalhando e calculando integrais. Geralmente não vai mais precisar, ou terá um computador fazendo esse trabalho.
Para quê ensinar e aprender cálculo, se não vão usar ou vai ter uma máquina fazendo isso por eles? Não é melhor aprender só o necessário para trabalhar?

A resposta dessa indagação é a mesma que explica o motivo de saber como as coisas funcionam por debaixo dos panos: você é um profissional superior e mais completo quando sabe a razão de existência das coisas, quando sabe porquê elas foram feitas, para quê e quando usar. Sabendo isso, você pode raciocinar e não ficará a mercer da decoração de tutoriais. Quando mais você souber o que ocorre por debaixo dos panos em seu computador, melhor programador você será.

Então...

Quando estudar por livros ou por apostilas/tutoriais?

Como aprender programaçãoSe for estudante e/ou têm tempo, não tenha dúvidas: pesquise um bom livro e estude ‘de cabo a rabo”. Assimile todos os conteúdos, leia todos os detalhes, entenda o motivo das coisas e treine muitos, mas com muitos exercícios.
Mesmo que planeje ser um Webmaster, dê uma fuçada em C ou Assembly, saiba o que acontece em sua máquina ou navegador quando uma função/rotina é invocada.

Já é profissional? Não tem tempo a perder? Seu chefe está te pressionando? Já estudou muito aquele assunto e quer relembrar algo, ou aprender um detalhe daquela ferramenta que você usa bem?
Não perca tempo, vá ao Google e busque um tutorial. Entenda o que está fazendo, assimile, raciocine e nunca mais esqueça. Agregue esse novo conhecimento as informações que já possui.

Porém, só livro, só assistir aula, só assisti vídeo-aula ou só ler tutorial, nunca irão te fazer um bom profissional.
Para chegar nesse patamar, estude pelo máximo de fontes possíveis. Coloque um fórum de seu alvo de estudo como página inicial e leia todos os dias. Estude pelo maior número de livros possíveis, baixe apostilas da internet, se puder curse uma conceituada universidade e aproveite bastante seu curso para tirar certificação.
Não há roteiro certo de estudos para ser um bom programador, isso é apenas uma medida direta do tanto de estudo.



E você, o que prefere? Livro ou tutorial?
Por que?

3 comentários:

Antonio Jr disse...

Eu prefiro um livro e principalmente aqueles com muitas folhas.

Rander disse...

Olá boa tarde. Gostaria que alguém indica-se para mim qual ou quais dos livros em português para começar programação em C?

Programação Progressiva disse...

Olá Rander,

Indicamos o Linguagem C, do autor brasileiro Luís Damas.

Aqui um artigo sobre o livro:
Linguagem C, Luís Damas

O artigo está em nosso site C Progressivo, que é um curso de C online e totalmente gratuito.